Seguem os videos de apoio… Começa a conta atrás!!!



Como ingressar fácil por Goteo

Se queredes participar no mecenato da rádio Kalimera atravês de Goteo, hà umha maneira fácil de realizar o ingresso.

Quedam 14 dias!!! https://gl.goteo.org/project/ondinhas-venhem-e-vam

Aqui deix13077094_1026643720736530_8331783369348118084_námos-vos o link:

https://gl.goteo.org/blog/566



Recompensas-crowdfunding, quedam 16 dias!!!

Estas som algumhas das recompensas com as que agasalhamos as tuas achegas solidárias.
Hà algumhas mais como o teu nome no estúdo da Kalimera, o copo, fanzines, disco mix, selecçom de cartazes históricos da Kalimera…
Tedes a informaçom em http:goteo.cc/ondinhas
Quedam 16 dias!!! Apoia a Kalimeraaaaa!!!

 

recompensas

 



Video-apoio para a Kalimera



Os médios fam-se eco da campanha crowdfunding

Estamos agradecidas a todas as pessoas e médios de imprensa que ajudam a difundir a nossa campanha de mecenato (http://goteo.cc/ondinhas). Toda ajuda, participaçom e difussom é bem-vinda!!! Já vai quedando menos, 18 dias para conseguir 3.735 euros… Comparte e difunde e apoia às ondinhas livres de Compostela!!! Obrigadas!!!abordaxe  Captura Diário Liberdade RKCaptura de ecrã de 2016-05-18 19-20-00 Captura Sermos RK Captura Xornal Lindeiros RK

 

 

 

 

 

 



No mês de maio celebramos muitas festas horteras!!!

Em homenagem a nossa festa mais emblemática, engadimos um album de fotos em homenagem à Festa Hortera.

Atentas porque pronto anunciaremos algum evento hortera para inaugurar nova época da radio…

Apoia a Kalimera!!! (goteo.cc/ondinhas)

3D

 



Cunhas de áudio para descarregar e publicitar o crowdfunding da rádio

13103522_1026644244069811_1727284249577415889_n



Continuam os apoios!!!



Livre, aberto e gratuito

software_libreaColamos de seguido um interessante artigo sobre os conceitos de “livre, aberto e gratuito”, tres palavras com muitas similitudes mas com grandes diferenças também.

Colabora com os medios livres!!! Apoia a Kalimera!! (Goteo.cc/ondinhas)

Artigo extraído de: http://radioslibres.net/article/libre-abierto-y-gratuito/

 

Livre, aberto e gratuito

Explicamos as grandes diferenças que existem entre estas tres palavras.

Por Santiago Garcia Gago.

O outro dia alguém perguntou-nos: “¿por que nos seus cursos virtuais ponhem que som abertos, lvbres e gratuítos? Para que tanta palavra se vem sendo o mesmo”.

Mas nom, nom é o mesmo:

  • Aberto refere-se o acesso

  • Gratuito ao custo

  • Livre ao uso que podemos dar-lhe

Imos explicar co exemplo dos cursos pero aplicável para qualquer outra cousa como o software ou a cultura.

Aberto:

Nom limitamos o acesso, é dizer, nom ponhemos trabas para que a gente o veja ou requisitos de ingresso. A porta está aberta, entra quem quere.

Com tudo, o curso seria pechado se pugésemos algum requisito prévio para aceder ao curso, nom necessariamente um custo de inscriçom. Pode ser a idade, um título universitário ou que pertença a umha determinada organizaçom. Polo geral, nos cursos pechados necessíta-se umha chave para aceder.

Livre

Os nossos cursos tenhem umha licença Creative Commons Atribuiçom-Compartir Igual, isso significa que é livre para difundi-los, para modifica-los e fazer cursos novos a partir desse ou traduzi-los a um outro idioma.

Se nom fosse livre, o curso nom teria umha licença Creative Commons, senom um copyright tradicional. Nom poderias copia-lo e terias que pedir-nos permiso, mesmo, para colgar o PDF na tua web.

Gratuito

Nom cobramos polo curso, podes segui-lo sem ter que pagar nada.

Agora bem, um curso poderia ser:

  • Aberto, gratuito pero nom livre: podes aceder á web do curso sem chave, nom te cobram por faze-lo pero tem umha licença copyright, é dizer, só podes le-lo, nom é livre de fazer nada mais com el. Moitos cursos na internet estám baixo esta modalidade e por ser abertos e gratis pensamos que som livres, pero nom é assim.

  • Livre, pero nom aberto nem gratuito: que publiquemos material na internet com umha Licença livre como a Creative Commons nom significa que nom poidamos cobrar polo curso e dar umha chave para aceder a el. É provável que o contido, ao ser livre, apareça publicado noutras páginas já que com essa licença autoríza-lo. Pero por exemplo, pagas para receber titorias personalizadas, chat co professorado,…

  • Livre, gratuito pero nom aberto: publicamos os textos com Creative Commons, nom é necessário pagar, pero só admitimos a pessoas que trabalham em Rádios Comunitárias e dámos-lhes umha chave para aceder á plataforma onde está o curso. Do mesmo jeito que no exemplo anterior, qualquer participante poderia tomar os textos, copia-los e difundi-los porque tenhem licença Creative Commons, pero nom qualquer poderia seguir o curso regularmente porque nom é aberto.

  • Nem livre, nem aberto nem gratuito: se pagas dam-che acesso ao curso que tem todos os materiais com copyright. Até há pouco a maioria de cursos estavam baixo esta modalidade, pero agora moitas instituiçons e universidades estám a apontar-se a difundir tudo de forma livre, aberta e gratuita.

Tres palavras, tres significados

Em galego temos umha palavra para cada termo, pero em inglês é distinto. Free significa livre pero tamém gratis. Por isso, moitas vezes, vemos “free software” e pensamos que é gratis. E ainda que a maioria de free software é tamém gratuíto, a palavra free nesse caso refíre-se a que cumpre as 4 liberdades do software livre.

Para referer-nos ao Software Livre dizemos “Free Software” e para falar de software gratuito usamos “Freeware”

Igual sucede co Open Software e o Free Software, que os usamos como sinónimos pero tem moitas diferenças entre si.

O Software Livre (Free Software) está preocupado da liberdade. Refere-se aos permisos que outorgas ao resto de usuárias e usuários sobre esse software. O Software Aberto (Open Software) advoga pola apertura do código, podo aceder a el sem problema, pero em moitos casos nom podo modifica-lo, é dizer, nom é livre.

Richard Stallman defíneo moi bem no seu livro “Software livre para umha sociedade livre”:

A tarefa de ensinar aos novos usuários o valor da liberdade complicou-se de forma acusada em 1998, quando parte da comunidade decidiu abandonar o termo «software livre» e empeçou a falar de «software de código aberto». Os partidários deste termo tratavam de evitar a confusom entre «livre» e «gratuito» —um objetivo moi legítimo. Pero outros tentavam deixar ao carom os princípios que impulsaram a criaçom do software livre e o projeto GNU, procurando assim atrazer aos ejecutivos e aos usuários de empresas, quem comparte maioritariamente umha ideologia que antepom as ganâncias económicas á liberdade, á comunidade, aos princípios. De modo que a retórica do «código aberto» concéntra-se na possibilidade de criar um software de alta qualidade e capacidade, pero refuge as noçons de liberdade, comunidade e princípios. Um claro exemplo disso som as revistas «Linux» —estám repletas de anúncios de software proprietário que funciona com GNU/Linux. Quando apareça o próximo Motif, ou o Qt, advertirám estas revistas aos programadores de que se afastem de-les, ou os anunciarám sem mais? O apoio da comunidade empresarial pode contribuir ao bem da comunidade de distintas maneiras, sempre que partamos dumhas condiçons de igualdade. Pero se nos ganhamos o seu apoio calándo-nos o que pensamos sobre a liberdade e os princípios,o resultado pode ser desastroso, e só agudizaria-se o desequilibrio já existente entre a difusom e a educaçom cívica. Os termos «software livre» e «código aberto» descrevem mais ou menos a mesma categoria de software, pero implicam cousas moi distintas sobre o software e os seus valores. O Projecto GNU segue empregando o termo «software livre» para expressar a ideia de que a liberdade, e nom só a tecnologia, é importante”.

Como verás, tres palavras com algumhas similitudes pero com grandes diferenças que devemos aprender a usar apropriadamente.

¿Quedou-te algumha dúvida? ¿Quedou-nos algo por comentar? ¡Comenta!



Apoia a autogestom!! Seguimos de crowdfunding!!!